quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Pesquisa divulgada prova exatamente o que já sabemos

Prof. Bene Barbosa*

A pesquisa sobre apreensões de armas no Brasil, apresentada pela Subcomissão de Armas e Munições, presidida pelo Dep. Jungmann, travestida de novas e impressionantes informações só traz três verdades em seu bojo:

1. A política nacional de segurança pública focada no combate às armas que estão nas mãos de civis fracassou de forma estrondosa. Estamos enxugando gelo, armas são apreendidas e destruídas, saem assim de circulação, porém os criminosos continuam entrando e saindo de nosso falido sistema judiciário e carcerário.

O narcotráfico recolhendo diariamente milhões de reais pode comprar o armamento que quiser, na mesma velocidade que os contrabandistas internacionais conseguem entrar com tal armamento. Por sua vez, esses contrabandistas sempre abastecerão esse pulsante mercado uma vez que a demanda é grande e dinheiro sujo de sangue e cocaína não é problema. Mas a subcomissão, chefiada pelo Dep. Jungmann, continua dizendo que o problema é do .38 comprado pelo pai de família, culpa do velho .32 nas mãos do aposentado. No contra-senso da lógica matemática e da moral a culpa da ineficiência do Estado é mais uma vez colocada em cima povo.

2. O Estatuto do Desarmamento, em vigor desde 2003 fracassou ao combater a criminalidade e levou aos bandidos a certeza de saber que hoje temos uma sociedade que não consegue exercer o seu legítimo direito de defesa.

A constatação é simples e matemática, estados que aderiram com grande entusiasmo à campanha de desarmamento, como por exemplo, Alagoas, terra de Renan Calheiros, um dos pais do desarmamento no Brasil, embora tenha tido uma das mais altas taxas de armas recolhidas ( 42 armas para cada 10 mil habitantes) amarga o crescimento dos homicídios de 17, 5 para nada menos que 43,4 homicídios para cada 100 mil habitantes.

Pernambuco, terra da viúva do referendo (apelido carinhoso dado ao Dep. Jungmann na Câmara Federal), não ficou por baixo e amarga hoje uma das mais altas taxas de homicídios de todo o Brasil, praticamente empatando com Alagoas.

Estes são apenas alguns exemplos, dentre tantos possíveis, apenas com uma rápida análise dos dados já trabalhados, imaginem se tivéssemos acesso aos dados brutos...

http://www.estadao.com.br/especiais/ranking-de-devolucao-de-armas,74627.htm

3. O desarmamento civil continua não tendo apoio popular haja vista a publicação de quase uma centena de comentários favoráveis ao direito de ter armas no Jornal O Globo.

Você acha que o controle de armas diminui a violência? Com essa superficial pergunta, ganharam mais um sonoro “NÃO”. Para 79% dos leitores deste jornal carioca, que sempre se posicionou pelo desarmamento, “todo mundo tem direito a ter arma para se defender”.

Reafirmando que já houve um referendo e inequivocamente a população brasileira, de Norte a Sul, das grandes capitais às menores e mais longínquas cidadelas, escolheu e votou em manter o direito à compra de armas de fogo para sua proteção.

Um dos pontos que mais chamou a atenção, é que não houve sequer um comentário daqueles 20% que votaram pelo controle de armas na referida pesquisa, mostrando o quanto já está desgastado esse tipo de argumento contra o cidadão de bem.

Pelo lado daqueles que votaram pelo direito de defesa, tivemos 82 comentários, alguns bastante incisivos, comentários daqueles que vivem reféns da criminalidade e que se depender de deputados como Jungmann, Biscaia ou de ONGs desarmamentistas financiadas pelo nosso dinheiro continuarão reféns por muito tempo.

Helicópteros continuarão a ser derrubados, policiais continuarão a morrer nas mãos dos criminosos que, diferentemente das armas, entram e saem da cadeia, rindo da sociedade.

Veja os 82 comentários no link abaixo, ao final da matéria:

http://oglobo.globo.com/pais/mat/2009/10/15/controle-de-armas-de-fogo-nos-estados-precario-diz-pesquisa-768065757.asp


* Bacharel em direito, presidente do Movimento Viva Brasil, um dos coordenadores do “não” no referendo de 2005 e especialista em Segurança Pública.

Um comentário:

criticageralbr disse...

Deus, deu a todos os animais o direito de defender sua família, e a nossa sociedade nos tirou este direito, com esta hipócrita campanha do desarmamento do cidadão.O
s criminosos estão cada vez mais armados, com fuzis, granada, câmeras, rádios ht e inteligencia.
O cidadão comum não sabe usar arma? Seria apenas constar nas devidas leis a necessidade de cursos, e condições psicológicas comprovada por profissionais. Alegar que o cidadão comum não sabe usar é absurdo, pois quantos policiais falham de alguma maneira no uso de sua arma. Quem porta uma arma, quem dirige um carro, quem tecla algumas palavras no PC pode errar, como se pode errar em qualquer coisa que se faça na vida, claro que determinados erros são mais trágicos que outro, mas ainda acho que defender meu País, meu Estado, meu Bairro, minha Rua e meu LAR são as coisa mais importante da vida, jã que comprovadamente o estado falha em nos dar esta proteção.
Falha esta devido a lentidão nas ações, na burocracia, nas falhas da policia ou na impossibilidade da policia exercer seu trabalho. Acredito que a grande parte da força policial tenha vontade de prestar um bom serviço, mas falta preparo, veja o caso do ônibus 174, ou em muitas reportagens que os policiais atiram com fuzis visivelmente sem saber onde estão atirando, ou em outros caso que os policias visivelmente não tem comando, cada um agindo por si, ou as delegacias completamente vadia de profissionais para investigar todos os crime informados pela população, é sabido por toda população que só é investigado crimes que caem na mídia ou de personalidade conhecidas.
Espero que um dia tenhamos uma Policia bem paga, (pois não é possível exigir que policias não se corrompam ganhando menos de mil reais enquanto fogueteiros ganha 400 reais por semana, é hipocrisia dize que eles escolheram, sabia quanto ia ganhar, é hipocresia, pois a maioria entrou pra um cargo publico, sem pesar a fundo o que é ser um policial.
Uma policia bem preparada (com equipamentos com tecnologia de ponta, sem economia pra treinos e muita, tecnologia, seja câmera, nas ruas, nos carros, até nos capacetes, pois tecnologia pra isto existe e não pode ser considerada cara.
Uma policia com moradia digna, pois para o profissional se dedicar 100% ao seu trabalho é imprescindível que sua família esteja protegida e bem amparada.
E acima de tudo leis que valorizem o trabalho policial, que quando o policial entregue o criminoso a justiça não haja falhas para que dias depois este mesmo criminoso não esteja na rua, não sou policial mas não me sentiria nada bem se arriscasse não minha vida, mas a vida do pai de meus filhos para prender um criminoso, ou mesmo fosse baleado pra dias depois por brechas na lei este individuo voltasse para as ruas. eu me sentiria traído pelo estado. e no intimo, por menos que os policias digam por respeito a hierarquia, ao poder publico a sua instituição, no seu subconsciente deve surgir esta impressão.
Bem terminando parabéns a todos os bons policiais que a despeito de tudo tentam tornar a sociedade menos animalesca, e que o estado passe a ser mais ativo do que os criminosos.)